A Alimentação Na Doença De Parkinson

Como a doença de Parkinson pode interferir na alimentação ?

Dependendo da fase da doença, da dose do medicamento ou da etapa do tratamento, podem-se observar alguns sintomas que dificultam uma alimentação adequada, fazendo com que o estado nutricional do parkinsoniano fique prejudicado, necessitando de intervenção de um profissional de nutrição e ajuda de outros profissionais e da família.

Muitas vezes, o indivíduo com a Doença de Parkinson já está inserido no grupo da terceira idade e, dependendo do seu modo de vida, pode apresentar outros problemas relativos à saúde, como a hipertensão, hipercolesterolemia, osteoporose, problemas cardiovasculares, distúrbios genitourinários, entre/outros. Desta forma, devemos considerar as manifestações das diversas doenças quando vamos alimentar-nos. Uma dieta bem orientada pode ajudar-nos a vencer as dificuldades.Vários fatores podem apresentar-se como risco para falta de apetite, perda de peso e, conseqüentemente, má nutrição. São eles:

o A aposentadoria reduzida e muitas vezes adquirida muito cedo;

o Isolamento da família e/ou da sociedade;

o A não-aceitação da doença;

o A existência de outras doenças conjuntas;

o Problemas de dentição e dificuldades de mastigação e deglutição (ato de engolir os alimentos líquidos e/ou sólidos);

o Depressão e, em alguns casos, demência;

o Pouca atividade física e imobilidade;

o Medicamentos usados na fase inicial da doença (anticolinérgicos, como Artane e Akineton, entre outros), interferindo na absorção intestinal, dificultando o seu funcionamento, provocando náuseas, vômitos, intestino preso ou boca seca (dificultando a formação normal do "bolo alimentar"), reduzindo a sensibilidade do paladar e do olfato;

o Dietas não orientadas por profissional da área de nutrição;

o Aumento do metabolismo e conseqüentemente das necessidades energéticas, facilitando a perda de peso;

o Falta de equilíbrio para preparar a sua própria alimentação ou inexistência de outra pessoa que possa fazê-lo.

o Problemas com a postura e dificuldade em manter-se ereto à mesa;

o Dificuldades motoras ara manusear os talheres (levar o talher à boca, cortar os alimentos) devido ao tremor e/ou à rigidez;

o Os movimentos do esôfago que ajudam a "empurrar" os alimentos para o estômago podem estar prejudicados, provocando engasgos e dificultando a deglutição;

o Tremor e rigidez, especialmente nos músculos da face, dificultando a mastigação e deglutição;

o Abuso de bebida alcoólica e de medicamentos;

o Hábitos alimentares inadequados;

o Descaso com a própria saúde.

Como obter uma alimentação saudável ?

A alimentação é fator essencial para manutenção ou recuperação da saúde. As atividades diárias de trabalho, diversão, exercício físico e o auto cuidado dependem diretamente do que e de quanto comemos. Tanto a qualidade quanto a quantidade dos alimentos ingeridos devem ser avaliadas, pois a combinação dos dois fatores pode nos trazer benefícios específicos. Sexo, altura, atividade física, estado nutricional, existência ou não de outras doenças e dificuldades físicas ou mentais influenciam direta ou indiretamente nossa dieta.

Uma alimentação variada dever fornecer todos os nutrientes de maneira adequada.

O que são nutrientes ?

Os nutrientes, inclusive a água, são substâncias que estão inseridas nos alimentos e desempenham funções variadas no nosso organismo. São eles: proteínas, gorduras, carboidratos, vitaminas, minerais e fibras. Podemos encontrá-los em alimentos diferentes, por isso devemos variar ao máximo nossa alimentação. O nutriente que encontramos em um podemos não encontrar em outro e vice-versa.

Os nutrientes estão presentes em quantidades diferentes nos alimentos. Nenhum alimento é completo (exceto o leite materno para crianças até 6 meses), ou seja, possui todos os nutrientes em quantidades suficientes para atender às necessidades do organismo.

Por isso precisamos ter uma alimentação variada.

O que devemos comer diariamente para ter uma alimentação adequada ?

* Grupo de carnes, peixes, aves, ovos e leguminosas

As carnes vermelhas (incluindo as vísceras, lingüiças, salsichas e presuntos) e as brancas (peixes e aves) são alimentos ricos em proteína e, portanto, chamados de alimentos construtores. A proteína está envolvida na formação e manutenção de células, tecidos do nosso corpo e órgãos (coração, pulmão, intestino, pele, etc.), hormônios e anticorpos para proteção do nosso organismo contra as doenças. Nas carnes vermelhas, peixes e aves podemos encontrar o ferro, também considerado nutriente construtor, devido à sua função. Ele participa da formação das células vermelhas do sangue, prevenindo a anemia, muito comum naqueles indivíduos que não ingerem quantidade suficiente destes alimentos.

Qual a quantidade de carne que devemos ingerir ?

As carnes devem ser ingeridas na quantidade média de 100 g por dia, o que significa um pedaço médio (ver lista de carnes).

* Grupo dos laticínios

Este grupo é fonte de proteína e é insubstituível quando se trata de cálcio, mineral envolvido na formação e conservação de ossos e dentes. Com o envelhecimento, perdemos massa óssea, o que pode ser agravado por vários fatores, tais como uso de medicamentos (diuréticos, antiácidos e outros), redução da atividade física e imobilidade, menopausa, doenças crônicas, baixo consumo de alimentos que contenham cálcio, fumo excessivo, entre outros.

Principais alimentos

ricos em cálcio

Alimentos ricos em cálcio=300 mg de cálcio

Alimento


Quantidade

Leite


1 copo grande (250 ml)

Iogurte


1 copo grande (250 ml)

Queijo branco


1 fatia média (30 g)



Para obtermos uma quantidade adequada deste mineral, devemos ingerir 1200 mg/dia, que correspondem a 3 copos de leite e iogurte e uma fatia de queijo. Para aqueles que já têm osteoporose, são necessários 1500 mg/dia. Veja a tabela na página anterior e verifique quanto de CÁLCIO você está ingerindo por dia.

Hoje temos disponível no mercado o leite enriquecido com cálcio ("Cálcio Plus"), o que significa que se você tomar um copo de leite ( 250 ml ), estará ingerindo o dobro de cálcio existente no leite comum. É uma boa alternativa para aqueles que não têm o hábito de tomar leite, iogurte ou comer queijo.

A melhor escolha de queijo é o tipo minas frescal que tem quantidade menor de gordura que os outros (parmesão, prato, gorgonzola, etc.).

O iogurte pode ser usado em substituição ao leite, na mesma quantidade, e os tipos desnatados são indicados para aqueles que têm colesterol alto ou estão com o peso corporal acima do recomendado.

Os leites e substitutos são também fonte importante de proteína.

DICA: A manteiga e o creme de leite, apesar de serem derivados do leite, não podem ser usados como fornecedores de cálcio e nem de proteína. Eles fornecem gordura.

A proteína pode interferir na utilização da levodopa pelo organismo?

Sim. A proteína que encontramos nas carnes vermelhas ou brancas nos laticínios (leite, iogurte e queijos) e ovos pode interferir na utilização da levodopa. Esta interferência depende da resposta de cada organismo ao tratamento com a levodopa. O que acontece é que, tanto no intestino quanto no cérebro, a proteína e a levodopa são absorvidas no mesmo local e ao mesmo tempo. Só podemos, porém, absorver uma de cada vez. Se estas duas estão juntas, uma prejudica a outra. Elas entram em competição e quem sai perdendo é geralmente a levodopa, que acaba não produzindo o efeito terapêutico desejado. Isto ocorre com maior freqüência naqueles indivíduos que têm grandes flutuações no tratamento.

Alguns estudos têm mostrado os benefícios de uma dieta com menor quantidade de proteína e o consumo da mesma em horários mais distanciados do uso da levodopa. O que acontece é que, de um modo geral, as pessoas costumam consumir excesso de proteína (muita carne, presuntos, hambúrgueres e outras preparações).

Qual a quantidade de alimentos protéicos que devemos ingerir?

Temos as seguintes alternativas para melhorar esta situação:

1. Ingerir os alimentos protéicos em horário distante do uso da levodopa (½ a 1 hora antes da refeição na qual costumamos ingerir carne branca ou vermelha, leite, queijo, iogurte e ovos).

2. Deixar para ingerir as carnes ou ovos no jantar (horário em que geralmente não temos tantos compromissos sociais e costumamos ficar em casa, para dormir logo depois).

Quantidades de carnes que devem ser ingeridas por dia (escolha um tipo)

o Carne assada = 1 fatia média

o Carne cozida em pedaços = 2 pedaços grandes

o Carne moída = 2 colheres de arroz médias (não muito cheias)

o Almôndega = 3 unidades médias

o Salsicha = 3 unidades

o Sardinha = 1 lata pequena (sem óleo)

o Atum = ½ lata

o Frango ensopado = ½ sobrecoxa média ou ½ peito médio

Obs.: Para evitar enjôos quando fizer uso da medicação, procure comer junto alimentos como frutas, sucos de frutas ou bolachas Cream Cracker.

Frutas, Verduras e Legumes

Este grupo de alimentos é importante como os outros e é muito variado. Frutas, verduras e legumes são ricos em vitaminas, minerais e fibras, que podem ajudar muito no funcionamento intestinal. As frutas, as verduras e os legumes são considerados alimentos reguladores, (já que regulam o funcionamento do organismo). Além disso, algumas funções do organismo podem ser controladas: há melhoria da resistência às infecções; formação e proteção de pele, olhos, cabelos, unhas e dentes; manutenção dos processos digestivos e de absorção de nutrientes; participação em várias reações de formação e renovação de células e funcionamento de órgãos.

Não há como dizer que não gostamos de algum representante deste grupo. Maça, banana. Laranja, morango, melancia, pêssego, tomate, alface, couve, cenoura, beterraba, abobrinha e todas as outras frutas, verduras e legumes podem ser consumidos à vontade.

Vitaminas

A Vitamina A é importante para a visão e a formação da pelo, dos cabelos e das unhas. A sua carência causa lesões na córnea, cegueira noturna e ressecamento da pele.

Onde encontramos a Vitamina A?

Podemos encontrá-la nas frutas e vegetais alaranjados e verde-escuros (cenoura, abóbora, batata-doce, mamão, manga, caqui, brócolis, couve, espinafre, acelga, almeirão e outros) Encontramos a vitamina A também nos alimentos de origem animal (leite integral, queijos, creme de leite, manteiga, gema de ovo e fígado).

A Vitamina C está envolvida em processo de cicatrização e resistência às infecções, aumento da absorção do ferro do feijão e outras leguminosas (grão de bico, soja lentilha).

A vitamina C pode ajudar no tratamento ou na cura da doença de Parkinson?

Alguns estudos tentam mostrar a função antioxidante da vitamina C, inclusive para diminuição da progressão da doença de Parkinson. Porém, a eficácia deste tratamento ainda não foi comprovada.

Quais alimentos contêm a vitamina C e que quantidade devemos ingerir diariamente?

A vitamina C pode ser encontrada nas frutas cítricas (laranja, mexerica, limão, abacaxi e outras), morango, kiwi, goiaba, tomate, acerola. Se for ingerido pelo menos um destes alimentos por dia, a vitamina C já estará garantida. A quantidade de que necessitamos diariamente é de 60 mg. Os fumantes necessitam de 100 mg.

Alimentos ricos em VITAMINA C

Alimento


Quantidade


Vitamina C

Acerola


3 unid (9 g)


150,97 mg

Laranja


1 unid média (180 g)


95,76 mg

Mexerica


1 unid média (148 g)


45,58 mg

Tomate


2 unid média (218 g)


38,15 mg

Morango


5 unid média (60 g)


34,2 mg

Fonte: PHILLIPI, S.T. SZARFARC, S. LATERZA, A.R. Virtual Nutri (software) versão 1.0, for windows. Departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública/USP. São Paulo, 1996

E os suplementos de vitamina C?

Os suplementos de vitamina C têm doses que variam de 500 a 2000 mg, superiores àquela de que necessitamos. Alguns estudos mostram que o excesso da vitamina C pode causar diarréia e favorecer a formação de cálculos renais. Como não se tem dados comprovando sua eficácia, não há justificativa para o uso de suplementos a não ser que seu médico ou nutricionista esteja acompanhando o caso. Evite tomar suplementos alimentares sem o consentimento desses profissionais.

A Vitamina D tem como principal função a absorção do cálcio, sendo essencial na formação da estrutura óssea.

Onde encontramos a Vitamina D?

Podemos encontrá-la em gema de ovo, fígado, leite integral, manteiga, creme de leite e ainda nas margarinas.

O sol é uma outra ótima fonte de vitamina D, porque ele converte em forma ativa (possível de ser utilizada pelo organismo) a vitamina D que fica na pele.

DICA: é importante tomarmos sol diariamente, por pelo menos 20 minutos, pela manhã até as 10:00 horas ou à tarde depois das 16:00. Desta forma, contribuiremos muito para o fortalecimento ósseo e para a prevenção da osteoporose. Nestes horários, encontramos menor quantidade de raios solares prejudiciais ao organismo.

A Vitamina E tem função antioxidante e a sua carência causa efeitos negativos na formação de músculos, vasos sanguíneos e sistema cardiovasculares.

Onde encontramos a Vitamina E?

Encontramos esta vitamina em óleos vegetais (soja, girassol, milho, azeite de oliva), gema de ovo, fígado, leite, frutas oleaginosas (avelã, castanhas, nozes amendoim).

A Vitamina K tem a função de regular a coagulação sangüínea e sua carência provoca hemorragias.

Onde encontramos a Vitamina K?

Podemos encontrá-la no fígado e em hortaliças (verduras e legumes), além de haver produção pela flora intestinal (bactérias).

As Vitaminas do complexo B são tiamina (B1), riboflavina (B2), piridoxina (B6), cobalamina (B12), niacina, biotina, ácido pantotênico, ácido fólico. São hidrossolúveis (solúveis em água) e têm funções variadas, como a prevenção de doenças relacionadas com o sistema nervoso e o sistema muscular, formação de glóbulos vermelhos, metabolismo de gorduras, carboidratos e proteínas, conservação de tecidos e olhos, além de outras funções.

Onde encontramos as Vitaminas do complexo B?

Encontramos estas vitaminas em alimentos de origem animal (carnes brancas ou vermelhas, vísceras, leites, queijos, ovos), cereais integrais, leguminosas (feijão, lentilha, grão de bico, ervilha seca) e hortaliças (verduras e legumes).

A piridoxina tem alguma relação com a doença de Parkinson?

Sim. A PIRIDOXINA (B6) participa também da conversão da levodopa em dopamina antes que ela chegue ao cérebro. A absorção da dopamina é eficaz apenas no cérebro. Se ocorrer esta conversão de levodopa em dopamina antes de chegar ao cérebro, esta dopamina vai se perder toda e aí não teremos o efeito desejado do medicamento.

A levodopa deve ser convertida adequadamente em dopamina para haver efeito terapêutico. Por isso, quando utilizamos levodopa, não devemos tomar suplementos de vitamina B6 (piridoxina).

SE EU ESTIVER TOMANDO ALGUM MEDICAMENTO À BASE DE BENZERAZIDA OU CARBIDOPA, POSSO TOMAR SUPLEMENTOS DE PIRIDOXINA (VITAMINA B6)?

Existem alguns medicamentos que contêm substâncias (benzerazida e carbidopa) que são inibidoras da dopaminase (enzima que converte a levodopa em dopamina, juntamente com a piridoxina). Neste caso, não há conversão fora do cérebro e o medicamento tem o efeito desejado. A vitamina B6 (piridoxina), portanto, não interfere no tratamento. O Madopar e o Sinemet são drogas à base de levodopa que já vêm com inibidores da dopaminase, não sendo contra-indicada a suplementação da vitamina B6.

Obs.: Lembre-se de que qualquer suplemento vitamínico ou mineral deve ser tomado apenas com indicação do médico ou nutricionista.

Minerais

O FÓSFORO, assim como o cálcio, participa do fortalecimento da massa óssea e dos dentes.

Onde encontrar o Fósforo?

Podemos encontrá-lo nos leites, queijos e iogurtes, na gema de ovo e em carnes, castanhas e amendoim.

O MAGNÉSIO é essencial para a formação de proteínas. Sua carência pode provocar distúrbios neuromusculares e problemas de crescimento.

Onde encontrar o Magnésio?

Pode ser encontrada em cereais integrais, castanha, carnes, leites, verduras, legumes, chocolate, tofu (queijo feito à base de soja).

O POTÁSSIO é responsável pela regulação do equilíbrio de minerais e água.

Onde encontrar o Potássio?

Os alimentos ricos em potássio são as frutas (laranja, banana, mexerica e outras), verduras e legumes, leite, cereais e carnes.

Obs.: As pessoas hipertensas que usam diuréticos continuamente, têm perdas significativas de potássio pela urina. Portanto, devem estar atentas aos alimentos ricos neste mineral para repor esta perda adequadamente.

O SÓDIO também regula o equilíbrio de minerais e água e sua carência pode provodcar cãibras e fraqueza muscular.

Onde encontrar o Sódio?

Podemos encontrá-lo no sal de cozinha (usar moderadamente), em peixes e frutos do mar e no leite.

O ZINCO regula a formação de proteínas e sua carência causa distúrbio do crescimento..

Onde encontrar o Zinco?

Podemos encontra-lo em leite, queijos, carnes, fígado, moluscos, caranguejo, arenque, leguminosas, vagens, cereais integrais e nozes.

AS FIBRAS

E as fibras alimentares?

QUAL A QUANTIDADE DE ALIMENTOS RICOS EM FIBRA QUE DEVEMOS INGERIR DIARIAMENTE?

É recomendável a ingestão de 25 a 30 g de fibras alimentares por dia.

Quantidade de fibras em alguns alimentos

Alimento


Quantidade


Fibras

Cereal "All Bran"


1 xícara de chá (30 g)


9,0

Lentilha cozida


1 xícara de chá (150 g)


7,3

Feijão cozido


2 conchas (90 g)


7,2

Farelo de trigo


2 colheres de sopa (15 g)


6,8

Grão de bico cozido


2 colheres de sopa (120 g)


6,7

Ameixa preta (seca)


3 unid grandes (30 g)


4,8

Pipoca


3 xícaras de chá (30 g)


4,6

Maçã com casca


1 unid média (150 g)


4,6

Pêra com casca


1 unid média (140 g)


4,2

Castanha de caju


1 pacote pequeno (70 g)


4,1

Batata doce cozida


1 unid média (120 g)


3,1

Aveia com flocos


2 colheres de sopa (30 g)


3,0

Uva passa preta


1 pacote pequeno (50 g)


2,9

Abacaxi


2 rodelas (150 g)


2,8

Cenoura crua


1 unid média (100 g)


2,8

Manga


1 unid média (60 g)


2,7

Milho verde enlatado


1 xícara de chá (60 g)


2,7

Abobrinha cozida


1 xícara de chá (134 g)


2,4

Escarola cozida


1 xícara de chá (153 g)


2,2

Laranja


1 unid média (100 g)


2,2

Tomate cru


1 unid média (100 g)


1,9

Maçarrão cozido


2 xícaras de chá (220 g)


1,8

Arroz integral cozido


5 colheres de sopa (165 g)


1,4

Pão francês


1 unidade (50 g)


1,4

Morango fresco


5 unidades médias (60 g)


1,3

Beterraba cozida


1 unid média (100 g)


1,0

Banana nanica


1 unid grande (140 g)


0,8

Arroz branco cozido


1 colher de sopa (150 g)


0,7

Fonte: PHILLIPI, S.T. SZARFARC, S. LATERZA, A.R. Virtual Nutri (software) versão 1.0, for windows. Departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública/USP. São Paulo, 1996

O intestino preso é freqüente na doença de Parkinson?

O intestino preso é uma das queixas mais freqüentes. Esta freqüência aumenta com a idade e é comum entre os parkinsonianos, atingindo mais de 50% deles.

Na doença de Parkinson, permanecer com o intestino constantemente preso pode atrapalhar o tratamento com a levodopa, já que dificulta sua absorção. Além disso, quando o intestino está preso por muito tempo, há uma reprodução aumentada de bactérias. Estas bactérias transformam a levodopa em dopamina, que não consegue penetrar no cérebro e ter o efeito terapêutico desejado. (Vocês lembram que apenas a levodopa consegue penetrar no cérebro e dopamina não?). Sabemos do impacto da constipação sobre nosso bem-estar geral. Afinal, a sensação de peso e a formação de gases intestinais pelas bactérias devido ao grande tempo de permanência das fezes no intestino não são nada agradáveis e contribuem para estados de humor alterados (irritação, nervosismo, etc.)

QUAIS OS FATORES QUE PODEM CAUSAR A PRISÃO DE VENTRE?

* excesso de peso corporal;

* baixa ou nenhuma atividade física;

* problemas motores ou neurais do intestino;

* uso de medicamentos constipantes;

* o uso excessivo e indiscriminado de laxantes.

ATENÇÃO !!! O uso de certos medicamentos pode causar constipação, porém muitas vezes não podemos parar de toma-los ou não há como substituí-los por outros. É importante que o médico seja informado com detalhes sobre outros medicamentos usados além daqueles indicados para a doença de Parkinson. Assim, ele poderá fazer uma prescrição adequada de laxativos, se for realmente necessário.

O que os laxativos podem causar ao organismo?

O uso indiscriminado de laxativos pode reduzir a absorção de nutrientes, aumentando a perda destes pelas fezes. O óleo mineral pode reduzir a absorção de vitaminas lipossolúveis (solúveis em óleos e gorduras): vitaminas A, D, E e K. O uso crônico destes medicamentos pode causar irritação e grande disfunção da motilidade intestinal, ou seja, a evacuação passa a ser impossível se não houver a presença do laxativo, instalando-se, desta forma, o vício.

DROGAS POTENCIALMENTE CONSTIPANTES

* MINERAIS – Alumínio (antiácidos), cálcio, ferro

* ANTI-HIPERTENSIVOS E ANTIARRÍTMICOS – bloqueadores do canal de cálcio, clonidina, disopiramida

* SIMPATOMIMÉTICOS – efedrina, isoproterenol, fenilefrina, fenilpropanolamina, pseudoefedrina, terbutalina

* LEVODOPA – Sinemet, Prolopa, Levocarb, Cronomet

* OPIÁCEOS codeína, difenoxilato, hidrocodona

* ANTICOLINÉRGICOS – antidepressivos, neurolépticos, anti-histamínicos, medicações antiparkinsonianas (Artane, Akineton, etc.)

* MEDICAÇÕES ANTIINFLAMATÓRIAS NÃO-CORTICÓIDES

Como estimular o funcionamento do intestino?

* Comer frutas – laranja com bagaço, mexerica, mamão, ameixa, abacate, uva, manga, morango, kiwi, banana nanica, melão, melancia (pelo menos três vezes ao dia).

* Comer vegetais – verduras em geral (de preferência cruas), tomate, beterraba, quiabo, jiló, chuchu, vagem, berinjela, milho, ervilha (pelo menos duas vezes ao dia).

* Usar feijão, grão de bico, lentilha ou ervilha seca diariamente.

* Preferir cereais integrais – pão integral, aveia, arroz integral, germe e farelo de trigo, "All Bran" (com moderação).

* Usar mel para adoçar leite, iogurte ou outros líquidos.

* Ingerir iogurte (de preferência natural) e leite diariamente.

* Ingerir duas porções de salada com vegetais crus por dia.

* Mastigar bem os alimentos.

* Tomar bastante líquido entre as refeições (8 copos por dia de água, sucos, chás), principalmente pela manhã e à tarde, evitando atrapalhar seu sono à noite.

* Não adiar o horário de ir ao banheiro. Se este procedimento é feito repetidamente, passamos a não ter mais a vontade de ir ao banheiro (inibição do reflexo de decação).

* Ao se levantar pela manhã, tomar água de ameixa preta seca e comê-la (l ameixa de molho em 1 copo de água de um dia para o outro)

Dicas:

Se o intestino estiver preso

* Não abuse de arroz branco, farinhas, batata, mandioca, pão branco, tortas, bolos, macarrão e outras massas, doces, bolachas.

* Evite limão, banana-prata, banana-maçã, jabuticaba, goiaba (polpa, caroço), produtos de pastelaria, embutidos.

Obs.: Dependendo do caso, dificuldades em mastigar e engolir podem fazer com que frutas e hortaliças não sejam bem tolerados. Entretanto, suco de ameixa, laranja ou mamão e farelo de trigo em quantidade moderada (se bem tolerado, já que pode causar gases em algumas pessoas e diminuir a absorção de algumas vitaminas e minerais) podem ser incorporados na dieta, por serem laxativos naturais.

E quando ocorre excesso de gases intestinais?

Se houver formação de gases intestinais, observe estes alimentos: repolho, nabo, rabanete, cebola, brócolis, melão, melancia, queijos gordos (amarelados e/ou curados) ou outros. Procure não ingeri-los ao mesmo tempo, para identificação de qual pode ser o causador dos gases.

O farelo de trigo pode ser usado apenas moderadamente, já que pode causar gases intestinais e diminuir a absorção de algumas vitaminas e minerais.

Obs.: Ao comer, beber líquidos ou falar depressa, podemos engolir ar e contribuir para o acúmulo de gases no aparelho digestivo. Portanto, CALMA!!!!!!!!

Grupo de cereais

Este grupo tem como principal função o fornecimento de energia ao nosso organismo. Ele engloba alimentos ricos em carboidrato, que é um nutriente. Aqui estão arroz, milho, centeio, trigo, aveia, farinhas e todos os seus produtos (pães, bolachas, bolos, polenta, angu, tortas, farofa e outros).

DICA: O parkinsoniano tem tendência a perder peso. O grupo de cereais, juntamente com as carnes e os laticínios, contribui para a recuperação do peso.

Gorduras

As gorduras têm função de isolantes térmicos, formação de hormônios, transporte de vitaminas lipossolúveis (dissolvidas em gorduras) e de fornecer energia para o funcionamento do organismo, assim como o carboidrato. Elas devem ser usadas em pequenas quantidades na alimentação pois em excesso podem favorecer a ocorrência de obesidade e elevar os níveis de colesterol sangüíneo, que é risco para doenças cardiovasculares.

ONDE ENCONTRAMOS AS GORDURAS?

As gorduras podem ser de origem animal (creme de leite, manteiga, banha, bacon) ou vegetal (óleos de soja, de canola, de milho, de girassol, azeite, margarina). Também estão presentes nas frutas oleaginosas (nozes, amêndoas, amendoim, castanhas).

As gorduras vegetais não contêm colesterol.

Apenas as gorduras animais possuem colesterol. Assim, o ovo, as carnes, os leite integrais e queijos, as vísceras, a maionese (feita com ovo) e os embutidos também possuem uma quantidade significativa de colesterol e não devem ser ingeridos abusivamente.

Devem-se preferir as gorduras vegetais, porque não contêm colesterol e possuem maior quantidade de gorduras insaturadas que saturadas. Estas últimas constituem risco para doença cardiovascular.

O QUE SÃO GORDURAS SATURADAS?

As gorduras saturadas são gorduras de consistência sólida à temperatura ambiente e são encontradas em todos os alimentos de origem animal (carnes, leite integral, queijo, creme de leite, bacon, manteiga) e em alguns alimentos de origem vegetal como o coco (leite de coco, gordura de coco), azeite de dendê, gordura vegetal hidrogenada e óleos usados repetidamente para frituras. Podem propiciar risco de doenças cardiovasculares, assim como o colesterol.

Qual quantidade de colesterol podemos ingerir diariamente?

A quantidade de colesterol que podemos ingerir diariamente é de 300 mg, se não tiver nenhum problema de colesterol elevado.

Confira sua ingestão:

Alimento


Quantidade


Colesterol (mg)

Leite desnatado


1 xícara de chá (200 ml)


6*

Leite integral


1 xícara de chá (200 ml)


22*

Manteiga


1 colher de sopa rasa (19 g)


47,5*

Margarina


1 colher de sopa rasa (17 g)


11*

Maionese


1 colher de sopa rasa (17 g)


8,5**

Ostras


90 g


61**

Pescada


90g, (fatia média)


58,5**

Carne de porco


90 g


99,9**

Carnes


90 g, (fatia média)


63*

Camarão


90 g, ( 3 unidades médias )


112,5*

Miúdos de frango


90 g


354**

Ovo (gema)


1 gema, 1 ovo (20 g)


300*

Fígado


90 g, (fatia média)


270*

Queijo minas


Fatia média (30 g)


23**

Queijo prato


Fatia média (30 g)


31**

Mussarela


Fatia média (30 g)


23**

Requeijão cremoso


1 colher de sopa (15 g)


2,25*

Ricota


Fatia média (35 g)


18**

Fonte: (*) WILLIAMS, S. R. Fundamentos de nutrição e dietoterapia. 6ª ed. Artes Médicas. Porto Alegre, 1997. (**) UNITED STATES OF AMÉRICA. Departament of agriculture. Human Nutrition Information Service: Composition of foods, Raw, processed, prepared. Agriculture Handbook nº 1-16. Revised 1976-1986.

O que posso fazer para reduzir o colesterol?

1. Fazer alguma atividade física.

2. Diminuir o consumo de frituras, preferindo os alimentos cozidos.

3. Aumentar o consumo de frutas, hortaliças e cereais como aveia, "All Bran".

4. Fazer uso de produtos com baixo teor de gorduras:

o Leite, iogurte e coalhada desnatados, ricota, queijo Minas "light";

o Frango sem pele, carne de boi sem gorduras, peixes sem pele;

o Margarinas cremosas (de preferência as do tipo "light", como BECEL)

5. Evitar os seguintes alimentos:

o Leite, iogurte e coalhadas integrais;

o Queijos gordos tipo mussarela, prato, requeijão integral, minas gordo, parmesão, gorgonzola e outros;

o Embutidos (salames, presuntos, mortadela);

o Carnes gordurosas, vísceras, hambúrgueres;

o Frutos do mar (camarão, lagosta, ostra);

o Gema de ovo, maionese, cremes de leite, patês;

o Manteiga, banha, toucinho;

o Pães e bolos com recheios de cremes.

A perda de peso na doença de Parkinson

Com o aumento da idade, a quantidade de energia que necessitamos vai diminuindo. Há diminuição de músculos, aumento na gordura corporal e lentidão no funcionamento dos órgãos, que faz com que tenhamos de comer menos. Isto se dá no envelhecimento normal. Na doença de Parkinson pode ser diferente. O parkinsoniano tem facilidade maior para perder peso. Esta situação deve ser observada com muito cuidado. O organismo do parkinsoniano gasta mais energia devido aos movimentos involuntários anormais e à rigidez muscular. Além disso, podemos ter outros fatores, já citados, influenciando nesta perda de peso, como depressão ou outros distúrbios de comportamento (falta de vontade e motivação para se alimentar), problemas de dentição, mastigação e deglutição; uso de medicamentos, interferindo na absorção intestinal de nutrientes; efeitos colaterais da medicação (náuseas e vômitos), interferindo no apetite.

O QUE DEVEMOS FAZER SE HOUVER PERDA DE PESO?

Ocorrendo perda de peso, deve-se ingerir mais alimentos que possam manter o peso normal, evitando a perda acelerada. Podemos aumentar o consumo de alimentos ricos em carboidratos, por serem energéticos:

* Pães, bolachas, bolos;

* Mingaus à base de farinhas (de preferência aveia, Neston), misturados com frutas e mel;

* Batatas, arroz com feijão e massas;

* Leite integral enriquecido com Nescau, farinha Láctea ou outros.

* Os leites e iogurtes integrais podem ajudar no ganho de peso (se não houver problemas de colesterol), pelo maior conteúdo calórico que possuem, em comparação com os desnatados.

DICA: Procure o nutricionista e informe o seu médico. Esta pode ser uma situação de risco para desnutrição, infecções e outros problemas de saúde.

* Procure pesar-se pelo menos uma vez por mês.

ATENÇÃO FAMILIARES E CUIDADORES!!

Os familiares ou cuidadores devem encorajar o parkinsoniano a se alimentar. Porém, se o peso corporal estiver muito acima do normal, é necessário cautela e dieta para que ele não aumente ainda mais. O Excesso de peso pode dificultar a movimentação e o trabalho do cuidador.

Secura da boca e/ou hipersalivação

O uso de vários medicamentos e as próprias alterações fisiológicas do envelhecimento podem provocar secura na boca ou hipersalivação. Na doença de Parkinson, a perda automática do controle dos movimentos da face e o enrijecimento podem ocasionar perda de saliva pela boca, por dificuldade em engoli-la.

O QUE DEVEMOS FAZER PARA DIMINUIR A SECURA NA BOCA?

No caso de secura intensa da boca, podemos intervir como segue:

* Beba em média 8 copos de água por dia (incluindo sucos com baixo teor de açúcar, chás de ervas).

* A reposição de líquidos é necessária na hipersalivação, já que há grande perda pela boca.

* Ingerir alimentos mais sólidos, aqueles que nos fazem mastigar mais. Desta forma, a salivação é estimulada, pois ela ajuda no processo digestivo dos alimentos. Consumir bolachas Cream Crackers, bifes, biscoitos duros e outros.

* Quando a boca estiver muito ressecada, chupar balas (de preferência sem açúcar), não esquecendo de escovar os dentes logo depois.

* Fazer uma boa higiene bucal diariamente e verificar se as próteses dentárias estão bem adaptadas.

* Mastigar bem os alimentos para estimular a salivação.

* Alimentos frios podem ser úteis para estimular a salivação, além de sucos ou frutas cítricas (laranja, limão, tangerina, etc.) e doces.

* Diminuir o consumo de alimentos muito secos (farinhas e outros).

* Umedecer os alimentos mais secos em bebidas.

* Mastigar os alimentos com auxílio de bebidas (sucos de frutas, chás, leite, água).

* Evitar alimentos salgados ou condimentados.

A rigidez da face, dificuldades de mastigação e deglutição

Na doença de Parkinson, encontramos algumas alterações motoras que podem dificultar a alimentação adequada. O enrijecimento da face dificulta a mastigação e a deglutição apresenta-se deficiente, provocando engasgos com freqüência. A passagem do alimento do esôfago até o estômago fica mais demorada.

COMO AMENIZAR AS DIFICULDADES?

No caso de secura intensa da boca, podemos intervir como segue:

* Tente evitar situações que causam ansiedade na hora das refeições. Coma em um local calmo, sem sons altos e luzes fortes, e mastigue bem os alimentos. Assim você pode evitar engasgar-se com alimentos mal mastigados ou em pedaços grandes e ingeridos com muita pressa. O cuidador deve servir a refeição com calma, sem movimentos repentinos ou bruscos.

* Se houver grande dificuldade de mastigação, procure picar, amassar, bater no liquidificador, desfiar ou moer os alimentos mais difíceis de ingerir inteiros. Mas lembre-se: isto só deverá ser feito se não houver mesmo possibilidade de mastigação, Esta função é importantíssima para preservação dos dentes, da salivação, para estimulação labial, para prevenir engasgamento e para o funcionamento intestinal normal. Portanto, a ingestão de alimentos sólidos deve ser estimulada.

* Evite sopas pouco densas. Prefira sopas com vegetais ou carne que possam ser mastigados e que são mais facilmente engolidos.

* Se necessário, faça uso de canudinhos para facilitar a deglutição.

* Alimentos secos podem ser difíceis de engolir. Se assim for, ajude com alagum suco, leite, chá ou água, de preferência gelados.

Dificuldades motoras com a mão e os braços;

problemas posturais

A rigidez das mãos e dos braços faz com que as dificuldades em cortar os alimentos, segurar os talheres e conduzi-los até a boca e de volta ao prato diminua a vontade e a capacidade de se alimentar sozinho.

A rigidez muscular contribui para a existência de problemas de postura. Como os controles da cabeça e do tronco são essenciais para se alimentar, os problemas posturais contribuem para aumentar os problemas alimentares.

O POSICIONAMENTO PARA SE ALIMENTAR PODE SER MELHORADO:

No caso de secura intensa da boca, podemos intervir como segue:

* Mantenha os pés adequadamente apoiados;

* Verifique se a altura da mesa está adequada;

* Mantenha-se sentado bem próximo à mesa;

* Os braços devem ser colocados próximos ao corpo, descansando sobre o colo;

* A cabeça e o tronco devem estar na posição mais vertical possível;

* A cabeça deve estar ligeiramente inclinada para frente;

* Pratos com ventosas (para fixar na mesa), colheres, garfos e facas especiais e outros recursos adaptativos:

1. Talheres de cabo grosso

2. Copos grandes, de plástico e com alças



Obs.: Exercícios físicos podem ajuda-lo a melhorar a musculatura e, conseqüentemente, seus movimentos. Caminhadas, jardinagem, fisioterapia e/ou outros orientados pelo fisioterapeuta podem ajuda-lo a realizar com mais facilidade as atividades diárias, como cozinhar, comer, carregar sacolas, vestir-se.

Observações especiais:

Alguns parkinsonianos podem apresentar confusão mental (efeito de drogas anticolinérgicas, como Artane, Akineton) em certa fase da doença. Desta forma, podem esquecer se já comeram ou não. Esta situação pode ser difícil tanto para o parkinsoniano como para o cuidador. Existem algumas maneiras de tornar um pouco mais fácil o controle da rotina alimentar. O cuidador deve ajudar o parkinsoniano da seguinte forma:

* Manter horários regulares para as refeições e comer junto, se possível.

* Se ele quiser começar uma refeição logo após a outra, deixar algumas louças na pia e mostrar os restos de comida, indicando que ele já comeu.

* No caso de querer comer somente certos alimentos, é necessário perguntar ao nutricionista ou ao médico sobre a dieta e a necessidade de usar suplementos.

* Não se preocupar com certas etiquetas à mesa. Pode ser mais fácil comer com a colher do que com garfo e faca.

* Oferecer alimentos de textura uniforme para evitar que o paciente se confunda com os pastosos e sólidos dados ao mesmo tempo. Ele pode engolir inteiro, em vez de mastigar, e engasgar.

* Verificar se o alimento dado não está quente demais, a ponto de queimar a boca. Se isto acontecer, ele poderá ficar com medo e com freqüência se recusará a comer.

Náuseas, queimação no estômago e vômitos

A ocorrência destes sintomas depende da medicação usada e da maneira de tomá-la. Os medicamentos à base de levodopa (Sinemet, Prolopa, Cronomet, Carbidopa/Levodopa Genérico), anticolinérgicos (Triexidyl, Akineton, Mantidan entre outros), agonistas dopanimérgicos (Parlodel, Celance, Mirapex, Sifrol entre outros), e ainda o tolcapone, princípio ativo do Tasmar (inibidores da enzima COMT = catecol-o-metil-transferase, que provoca flutuações no tratamento) são os principais causadores. A associação de vários medicamentos ao mesmo tempo aumenta o risco de distúrbios gastrointestinais.

Portanto, devemos seguir os seguintes passos:

* Não comer grandes quantidades de alimentos de uma só vez. Devemos fazer 5 a 6 pequenas refeições durante o dia no lugar de apenas 3 refeições grandes. Podemos comer menos no almoço e no jantar e introduzir pequenos lanches leves (frutas, sucos, vitaminas de frutas com leite, bolachas) no meio da manhã e da tarde.

* Nunca dormir de estômago vazio. Tomar pelo menos um copo de leite ou iogurte, ou chá com bolachas, ou comer uma fruta. Porém, evitar comer demais antes de dormir.

* Evitar alimentos que possam aumentar os sintomas de náusea: alimentos picantes demais (picles, azeitonas, molhos de pimenta, molho inglês, catchup, mostarda, etc.) café, chá preto ou mate, embutidos (presuntos, salsichas, salames), doces muito concentrados, bolachas recheadas, frituras e alimentos muito gordurosos, etc..

* Se os enjôos estiverem muito evidentes, evite tomar os medicamentos de estômago totalmente vazio. Comer bolachas ou frutas, ou tomar suco junto com a medicação. Desta forma os efeitos colaterais podem ser amenizados.

* Evitar líquidos durante ou logo após as refeições.



Exemplo de cardápio

Refeição


Alimentos


Substituições

Café da manhã


Leite

Pão francês

Queijo

Mamão


Queijo, iogurte

Torrada, aveia

Margarina

Laranja, banana, maçã

Lanche da manhã


Maçã


Pêra, kiwi, abacaxi

Almoço


Arroz

Feijão

Bife grelhado

Cenoura cozida

Alface

Laranja


Batata, massa, polenta

Lentilha, ervilha seca

Frango, peixe

Chuchu, beterraba, jiló

Agrião, rúcula

Melancia, melão, uva

Jantar


Arroz

Feijão

Frango

Abobrinha

Tomate

Mexerica


Pão

Peito de peru

Alface

Tomate

Caqui

Lanche noturno


Leite


Iogurte, queijo

ATENÇÃO !!!!!!!!!

* Este é o exemplo de um cardápio adequado e está sem as quantidades porque elas são individualizadas. Cada pessoa necessita de uma quantidade específica de alimentos para satisfazer suas necessidades energéticas e nutricionais.

* Procure variar ao máximo a sua alimentação para receber todos os nutrientes e evitar possíveis carências.

* Coma diariamente frutas (pelo menos 3 unidades); verduras cruas (2 porções); verduras cozidas (2 porções); pães, bolachas; arroz, polenta ou macarrão (4 porções à sua escolha); feijão, lentilha, grão de bico, ervilha seca (1 a 2 porções à sua escolha); carnes (1 a 2 porções); leite, queijo, iogurte (3 a 6 porções).

* Faça de 5 a 6 pequenas refeições ao dia, evitando comer grandes quantidades de alimentos de uma só vez.

* Não deixe de fazer nenhuma refeição durante o dia.

* Procure ingerir uma média de 8 copos de água por dia (pode ser em forma de sucos não muito açucarados ou chás).

* Se estiver sem apetite, tente mais um pouco e, se for preciso, espere mais um pouco.

* Se estiver perdendo peso, procure o nutricionista e avise o seu médico.

* Se o intestino estiver preso, observe as orientações para melhorar seu funcionamento. Não desista e procure seguir todas as indicações. Procure fazer alguma atividade física agradável: fisioterapia, caminhada, exercícios na água, atividades domésticas ou qualquer outra.

* Não use laxantes sem prescrição médica.

* Evite o uso de doces, açúcar, frituras e gorduras em excesso. Substitua estas guloseimas por alimentos mais saudáveis, como frutas, pães, leites, iogurtes, queijos magros. Dê preferência às carnes assadas, grelhadas ou cozidas preparadas com pequena quantidade de óleo.

* Cozinhe com óleos vegetais de qualquer tipo (soja, milho, canola, girassol), pois não contêm colesterol.

* Não exagere na quantidade de sal na hora de cozinhar e evite ingerir com freqüência salgadinhos, salames, embutidos, enlatados, carnes salgadas e outros alimentos salgados. Use mais temperos À base de ervas aromáticas (salsa, cebolinha, coentro, hortelã, manjericão e outros).

* No lugar de gorduras animais (banha, toucinho, manteiga) prefira óleos vegetais (soja, milho, canola, azeite, girassol) e margarina vegetal, de preferência do tipo "light".

* Evite o consumo exagerado de alimentos industrializados (embutidos, enlatados e outros).

* Evite o uso de alimentos ricos em cafeína (café, coca-cola, chá preto e mate), especialmente no fim de tarde e À noite, para não atrapalhar o sono.

* Evite o consumo excessivo de sal. Se você for hipertenso (mesmo tomando medicamentos), deve tomar cuidado com aqueles alimentos que já vêm preparados (presuntos, salames, salgadinhos, carnes salgadas, queijos salgados, alimentos enlatados, ervilha, azeitona).

* Você é o responsável por sua saúde. Seja independente de acordo com as suas limitações, aceitando ajuda de amigos, familiares e profissionais de saúde, se necessário.

Após terem lido este manual, esperamos que vocês parkinsonianos, amigos, familiares e cuidadores possam realizar mudanças importantes no seu estilo de vida e alimentação, a fim de melhor controlar as intercorrências da doença.

Vimos aqui abordagens diversas sobre os problemas alimentares que ocorrem durante o curso da doença. Podemos encontrar pessoas com todos eles ou com parte deles. Conforme o grau de dependência do parkinsoniano, dos cuidados anteriores com a qualidade da alimentação e da aceitação das trocas sugeridas e necessárias, mudaremos antigos hábitos, de forma particular. Cada indivíduo tem hábitos alimentares que podem divergir, e muito, daqueles do seu colega. Percebemos isto nos sintomas e manifestações da doença, assim como nos efeitos colaterais dos medicamentos, nas respostas ao tratamento e na evolução da doença. Não existe "solução única", já que sabemos da complexidade da Doença de Parkinson. Há necessidade de cuidados especiais, já que estamos diante de uma situação especial, decorrente de alterações que podem agravar-se se não confiarmos nas mudanças possíveis.



As autoras

Bibliografia

1. PEREIRA FAI, CERVATO AC. Recomendações nutricionais. In: PAPALÉO NETTO M, editor. Gerontologia. São Paulo: Atheneu; 1996.p.248-61.

2. HATCHER LF, EINEN DG. La Corretta Alimentazione nel Morbo di Parkinson. Associazione Italiana Parkinsoniani (The American Parkinson Disease Association c.);1993.

3. NORBERG A, ATHLIN E, WINBLAD B A Model for the Assessment of Eating Problems in Patients with Parkinson´s Disease. Journal of Advanced Nursing 1987; 12: 473-81.

4. LIMONGI JCP. Doença de Parkinson: como diagnosticar e tratar. Rev. Bras. Med 1993; 50 (9)1078-84.

5. Boletim Associação Brasil Parkinson, n.16, 1998 (Problemas do Trânsito Intestinal e Doença de Parkinson), P.06, (Matéria de autoria do Dr. Vitaux, publicada no Boletim n. 53 da Association France Parkinson, tradução da Prof. Teresa de Freitas Limongi)

6. COITINHO DC et al. Condições Nutricionais da População Brasileira: Adultos e Idoso. INAM (Instituto Nacional de Alimentação e Nutrição). Brasília, 1991.

7. JUNCOS JL er al. Levodopa methyl ester treatment of Parkinson´s disease. Neurology 1987; 37: 1242-45.

8. MARUCCI MFN e GOMES MMBC. Interação Droga-Nutriente em Idosos. In: PAPALÉO NETTO M, editor. Gerontologia. São Paulo (SP): Atheneu; 1996. p.273-83.

9. CERVATO AM et al. A Alimentação na Terceira Idade. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública (USP); 1997.



Extraído na íntegra do livro:

A Alimentação na Doença de Parkinson

Autores:

Estefânia Maria Soares Pereira, Cláudia Carvalheira Farhud e Maria de Fátima Nunes Marucci

Apoio Laboratório Boehringer Ingelheim

No response to “A Alimentação Na Doença De Parkinson”

Envie Um Comentário

 
© 2009 Mal De Parkinson. All Rights Reserved | Powered by Blogger
Design by psdvibe | Bloggerized By LawnyDesignz Distribuído por Templates